Distribuir

Distribuir contido
Apartados temático/xeográficos
Idioma
16 de Decembro de 2021 Valdemiro Lopes

Cabo Verde: Exigência de Justiça Climática contra o Desastre Ambiental

Cabo Verde fai parte da AOSIS, Alliance of Small Island States

Todos, os ilhéus, como é o nosso caso, somos e seremos, as primeiras vítimas dos problemas das alterações climáticas, provocadas essencialmente, por terceiros e seremos, todos, influenciados pelas perturbações e mudanças que terão impactos negativos, nos nossos projetos de “desenvolvimento socioeconómico”. O que fazer para sobreviver e com que recursos?

O sobreaquecimento global, planetário, o ataque desenfreado ao meio ambiente com as suas influencias negativas e nefastas, para todos os habitantes deste planeta, traz benefícios económicos a alguns países; por exemplo, o efeito direto na quebra e perda de gelo, no polo norte, abre já hipóteses de negócios e projectos de pesquisa, exploração e extração do petróleo sob o gelo, e a materializar-se, isso será feito por três países: Canada, Rússia e USA, já grandes poluidores... O desespero da maioria, cria mais-valia económica e neste caso exemplo específico, aos principais causadores, do desequilíbrio ambiental, do planeta, já em perigo estando todos a viver, no quotidiano “as incertezas” da crise socioeconómica e sanitária “Covid -19

Cabo Verde, vive ainda, como pressuposto vitima menor, destas tragédias, que afetam a todas as nações, pois ninguém escapa… E face á situação, que medidas, a titulo de precaução e prevenção tomaremos? Como agir contra o ataque constante, do “mundo industrializado” e mais, “civilizado” sobre o meio ambiente, para a nossa própria sobrevivência e existência neste planeta comum?

Segundo resultados dos estudos realizados pela Aliança de Pequenos Países Insulares, (Aliance of Small Islands States, “AOSIS”), que incorpora, mais de 40 países membros, dispersos nas regiões do Pacifico, Caraíbas, África e Indico “…Os estados insulares, - nosso caso -, são e serão, as primeiras vitimas da mudança climática …(sic)” . AOSIS, representa 28% dos países em desenvolvimento, 5% da população mundial, e 20% de estados membros das Nações Unidas. Ademais o 60% da população dos estados insulares, concentram-se no litoral, desempenhando, aí suas atividades governamentais e socioeconómicas vitais, como nas infraestruturas portuárias…

O problema é sério e várias alertas foram emitidas por equipas e organizações científicas, sob a forma de apresentações e resultados em conferências internacionais. O ultimo fórum sobre o assunto, aconteceu, este ano, no Reino Unido, na cidade de Glasgow com a participação activa da delegação cabo-verdiana, liderada pelo Primeiro-ministro. O fórum visou, sobretudo e primeiramente, atividades nocivas, sobre o ambiente causadas e praticadas principalmente, pelos primeiros grandes poluidores do planeta, os países superindustrializados, encabeçados por China, USA, Índia e União Europeia. O problema é grave e contraria as recomendações do Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial e da Organização Mundial do Comercio, que impõem a má receita de produzir mais, cada vez mais e tudo dirigido à exportaçao, sobretudo aos países pobres e em desenvolvimento, obrigando-os a se orientarem, á pratica e lógica perversa e brutal “do sistema” de economia neoliberal internacional!

Estas reflexões, faz-me relembrar o título de um artigo, publicado no semanário, A Nação, numero 355 de 19 de Junho de 2014: “… Cidade Velha vai Desaparecer, no Futuro () ainda não é caso para alarme, mas se a temperatura do planeta, continua a subir () a cidade da Ribeira Grande de Santiago, ficará totalmente submersa por causa do aumento do nível da água do mar () é um cenário possível e não particularmente extremo () a água do mar cobrirá, sobretudo a zona baixa da cidade, o histórico Pelourinho, casas antigas e a Câmara Municipal … (sic)”

Cabo Verde, como membro da AOSIS, conjuntamente com esta instituição, deve formalizar e reclamar, para a obtenção de uma verdadeira Justiça Climática, exigindo fundos e indemnizações e mesmo, se necessário for, exigir, também, transferência de tecnologia para podermos prevenir, e resistir contra o desastre ambiental, invocando, motivos de sobrevivência e solidariedade, aos países ricos, os causadores desses riscos e prejuízos planetários, graças às lógicas egoístas de defesa de seus próprios interesses económicos e financeiros…

Ainda não se fez vacinar, contra Covid19! Salvar Cabo Verde depende também de si!

José Valdemiro Lopes

miljvdav@gmail.com


 


 


 

Tempo exterior: Revista de análise e estudos internacionais